O que representa a universidade para o seu futuro?

Em um mundo em que vemos pessoas sem nunca ter frequentado uma universidade, ganhando milhões de euros e dólares, muitos se perguntam se isso ainda vale a pena.

Reconheçamos que este é um devaneio sem muito valor científico, haja vista que nem todos possuem o talento de um Neymar, por exemplo.

Lógico que existem muitas pessoas que conseguem construir um futuro digno sem frequentar a universidade e sem ser jogador de futebol, mas estes são exceções.

O mercado de trabalho precisa e busca por pessoas cada vez mais qualificadas e capacitadas, nas mais diferentes áreas.

Então, se você não tem nenhum talento ou dom extraordinário, não se engane, o seu futuro pode começar a ser escrito na universidade.

A universidade e o seu futuro

“Estou formado! E agora?” Este é o questionamento de muitas pessoas que concluem a universidade e ainda não conseguiram estabelecer um caminho a seguir.

É muito emocionante e, às vezes, muito inspirador que a pessoa queira fazer um curso que lhe dê satisfação e realização pessoal.

Contudo, caso este curso não lhe prepare e/ou capacite para o mercado de trabalho, é bem possível que o seu futuro esteja comprometido, sobretudo, em termos financeiros.

“Dinheiro não é tudo!” Concordo em gênero, número e grau, mas, infelizmente, não se vive ou constrói um futuro sem ele.

Não estamos falando de trabalhar, apenas pelo “vil metal”, mas reconhecer, sem nenhum tipo de ilusão ou fantasia, que um futuro tranquilo depende, e muito, do que a pessoa consegue amealhar durante os anos.

São muitos os motivos que fazem com que as pessoas não consigam visualizar seu futuro após concluírem um curso superior na universidade:

  • Falta de um plano de vida! Muitas pessoas imaginam que, um dia, tudo irá se resolver por si só! Um dia, tudo dará certo! E deixam sua vida e, muitas vezes, de sua própria família, nas mãos do acaso. Não vivenciamos a utopia dos Titans!
  • Inconstância de objetivos/imaturidade! Conheci uma pessoa que já havia iniciado seis cursos acadêmicos e nunca concluiu nenhum! O que falta e o que sobra? Faltam objetivos definidos e “sobrava” dinheiro para pagar cursos que nunca eram concluídos.

Além destes motivos, trataremos, de forma mais detalhada, de outros dois motivos muito importantes, como será visto nos dois próximos tópicos.

A escolha da universidade

Às vezes temos objetivos, sabemos o que queremos fazer e aonde queremos chegar, mas nos equivocamos na escolha da universidade.

O curso que escolhemos, muitas vezes, é oferecido por várias universidades e faculdades, inclusive, com grades curriculares muito semelhantes.

Todavia, existem uma série de outros itens de valorização, muitos mais importantes em relação a estes cursos:

  1. Reputação acadêmica da universidade;
  2. Proporção de professores doutores;
  3. Citações de pesquisas da universidade, entre outros.

Escolhendo o melhor curso

O filho de um amigo, certa vez lhe disse: “Pai, quero fazer o curso x”! Era um belo curso, muito relevante, mas, com pouco retorno financeiro!

Seu conselho, ao filho, foi: “Faça um curso que lhe dê possibilidades de retorno financeiro mais rápido e, depois, quando estiver sólido, financeiramente, siga seu coração”!

Meu amigo usou os seguintes argumentos para justificar suas palavras: Não somos ricos! Vivemos bem, mas sem muito conforto financeiro!

Como meu filho esperaria, então, se sustentar em um curso que, nem estágio remunerado oferece. Na verdade, disse, ele, nem estágio sem remuneração, quanto mais, remunerado.

Portanto, se você não dispõe de muitos recursos, escolha uma área que possa lhe encaixar mais rapidamente no mercado de trabalho e busque sua estabilidade financeira.

Depois, às vezes, pouco tempo depois, você já pode começar a realizar seu sonho e concluir o curso que lhe fala ao coração.

Ou, você pode ter a sorte de ser apaixonado por uma área com alta demanda no mercado, e juntar o útil ao agradável.

Terminar um curso acadêmico não é garantia de colocação no mercado de trabalho ou realização financeira. A universidade, entretanto, lhe prepara e lhe confere maiores chances que outras pessoas menos qualificadas teriam.